Se trabalha fora de indústrias de software e planeia contratar um Product Owner, este post é para si!

Um Product Owner de um produto de software, a ser desenvolvido numa indústria onde o core business não corresponde a TI (Tecnologias de Informacao), corresponde a uma funcao de agente de transformação de negócios, um parceiro para inovação. Alguém que o seu sucesso depende dos bons resultados a alcancar com esse software nos processos do negócio que apoia. Esta cooperacao entre TI e negócio, faz-me lembrar uma aliança.

Neste post, gostaria de compartilhar os meus pensamentos sobre o conjunto de competencias necessárias a procurar quando se pretende contratar um Product Owner.Actualmente é comum ouvir-se e ler-se por todo o lado que, o software é um dos principais ativos de qualquer empresa, contribuindo direta e indiretamente para o negócio, possibilitando ferramentas e processos de trabalho eficientes  Mas para produzir melhores produtos de software, num período de transformação digital, precisamos criar uma colaboração formal entre as áreas de TI e de negócios.

Esta aliança deve funcionar muito bem, caso contrário, nunca vamos conseguir um produto de sucesso. Esta relacao deve ser baseada em valores de colaboração, confiança e respeito. Colaboração para construir o produto em qualidade e tempo, sincronizando requisitos, esforço e roadmaps. Confiança e respeito no conhecimento de cada área individual de especialização.

Neste cenário, representando teremos dois tipos de Product Owner, ou há quem lhe chame Gestor de Produto quando se refere ao interveniente do lado do negócio. Assim sendo precisamos de um Product Owner no lado de TI e outro no lado do negoócio, para nos ajudar a pensar sobre as necessidades particulares de cada área de negócio. Do lado de TI, teremos alguém para coordenar ou moderar as diferentes áreas de especialização de TI, para produzir requisitos técnicos e funcionais. Para coordenar diferentes áreas como por exemplo: UX, arquitetura, segurança, testes, infraestruturas, build and release management, etc. E numa perspectiva de continuidade, o PO de IT deve preocupar-se com melhorias e otimizações.




Entao, se estamos à procura de candidatos a Product Owner de TI, que competencias devemos procurar?

Na minha opinião, um Product Owner não é um perito profundo, mas um experiente e sénior profissional de TI, desde da fase inicial do design, ao desenvolvimento e entrega de soluções completas, com altos padrões de qualidade e alto valor para o utilizador/usuário final.  Deve:

  • Ter sólidas bases de design e arquitetura de soluções;
  • Habilidades de análise de requisitos e ser capaz de moderar o diálogo com o gestor de produto;
  • Alguns conhecimentos de UX e ser capaz de discutir conceitos de funcionalidades ou workflows dentro da aplicacao;
  • Identifique a necessidade de Proof of concepts, seja capaz de os planear e organizar de acordo com os objectivos que definiu inicialmente.
  • Ser experiente em todas as fases do ciclo de desenvolvimento de software;
  • Ser capaz de moderar discussoes sobre funcionalidades, obtendo da equipa de desenvolviment estimativas;
  • Ser capaz de moderar discussões e obter inputs de key-users;
  • Ser capaz de identificar dependências no backlog e soluções de design para as fases intermediárias onde possa haver necessidade de contornar dependencias e respeitar os objectivos de lancamento de funcionalidades.

Para além disto, deve ser capaz de fazer todo o trabalho regular do Product Owner: escrever stories, organizar o backlog, planear sprints, escrever Definition of Done e Critérios de aceitação, etc

Soft-Skills mandatórias

Um Product Owner de TI deve ser um parceiro de confiança para a empresa dentro do departamento de TI, ou perto da equipe de desenvolvimento. Deve ser um agregador de opiniões técnicas, cumpridor de prazos de entregas, entregando conforme especificado e testado. Deve ter capacidade de moderação e negociação para fazer convergir para um objetivo comum diferentes interesses e opiniões.




Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.